As 17 dicas para uma carreira sólida em desenvolvimento de software

Alguns anos atrás eu fiz essa thread no twitter que foi, pra minha surpresa, muito bem recebida:

Nesse post vou expandir mais o meu pensamento em relação a cada um dos itens citados na thread.

É importante dizer também que tudo tem nuance. A sua realidade pode ser bem diferente da minha. Não leia nada nesse post como se fosse uma verdade absoluta. Interprete. Pense. E aja de acordo com o que faz sentido pra você.

1. Inglês

Tente aprender inglês o mais rápido possível.

Se você souber alemão, mandarim, espanhol, ou alguma outra língua, então excelente, você está na frente da maioria das pessoas. Saber inglês não é mais assim. Já é esperado que você saiba, principalmente na área de TI. Saber inglês já deixou de ser um diferencial tem muitos anos.

Hoje eu trabalho na Carta, uma startup do Vale do Silício. Essa empresa tem uma excelente condição de trabalho, com equipamentos de última geração, salário muito acima do mercado, e direito à ações da empresa. Se eu não dominasse inglês, eu jamais teria a oportunidade de trabalhar aqui.

Londres

Outra, é bem interessante ganhar em dólar trabalhando pra empresas do exterior. Se você não souber inglês, diga adeus pra essa oportunidade.

Inglês é fundamental. Aprenda.

2. Faculdade

Faça uma boa faculdade ou não faça nenhuma e vá direto pro mercado.

Essa é bem polêmica.

Na minha visão a faculdade ainda faz sentido hoje em dia por dois, e apenas dois, motivos:

  1. Networking
  2. Aprender a resolver problemas difíceis

Uma faculdade medíocre vai ser ruim em ambos aspectos. Por isso pra mim, tente entrar numa faculdade boa, senão conseguir, vá direto pro mercado.

3. Framework vs Base

Aprenda o framework do momento que o mercado pede, mas também estude a base (ex.: framework - React, base - JavaScript/HTML/CSS).

Um diferencial hoje é ter uma base sólida. Infelizmente não são muitos profissionais que a tem.

Ao mesmo tempo, as vagas que você vai encontrar não pedem "Desenvolvedor HTML". O que você encontra é "Desenvolvedor React", ou "Desenvolvedor Angular".

Pessoa estudando

O mercado quer os frameworks, e se você, como todos nós, precisa pagar as contas, então tem que aprender os frameworks também.

Não pense em dominar frameworks ou a base, domine ambos.

4. Dormir

Durma 8h por dia.

Já falei sobre a importância do sono no post sobre os hábitos e rotinas, mas vale frisar aqui: não dormir bem a noite vai te fazer infeliz, acima do peso, burro, com maior probabilidade de ter câncer, pior na cama, maior risco de morrer num acidente de carro, de ter Alzheimer, dentre outras coisas.

Pro seu bem, durma.

5. Exercícios

Você fica sentado durante todo o dia. Compense isso fazendo exercícios físicos de segunda a sexta.

Essa é a outra que eu citei no post sobre os hábitos e rotinas. Nós, desenvolvedores(as), somos famosos pelo sedentarismo. Mas exercícios físicos vão fazer com que você sinta melhor, tenha mais saúde, perca peso e diversos outros benefícios.

Faça qualquer coisa que movimente o seu corpo: andar, correr, malhar, yoga, qualquer coisa. Só não fique parado.

6. Fundamentos

Nenhuma vaga de emprego vai te pedir explicitamente saber sobre a base da Computação. Estude isso mesmo assim. Aprenda sobre estruturas de dados, notação Big-O, lógica binária, etc...

Muito parecido com a seção Framework vs Base, só que dessa vez me refiro aos fundamentos de Computação. É esperado que você saiba tudo isso, mas é raro encontrar vagas que citam essa necessidade.

Estrutura de um prédio

E, hoje em dia, a maior parte desse conteúdo você consegue encontrar de graça na internet. Não tem desculpa. Você consegue fazer basicamente todas as matérias que um formando de computação faria em Stanford, por exemplo, sem pagar nada.

7. Entregue sempre mais

Se você for estagiário, entregue o trabalho de um Júnior. Se for Júnior entregue o de um Pleno, e assim sucessivamente. Entregue sempre mais do que esperam de você.

Essa é autoexplicativa. Entregue sempre mais do que é esperado de você.

Isso é simples? Óbvio que não. Se fosse, todos fariam. Mas são poucos os que fazem. É seu trabalho descobrir a forma, que faça sentido no seu contexto, de entregar mais.

8. Dizer sim vs não

Diga muitos "sim" no começo da sua carreira para que você possa dizer muitos "não" mais tarde.

Essa ideia eu roubei do Derek Sivers. No começo da sua carreira, você não sabe quando (ou como) a grande oportunidade vai chegar, então você tem que dizer "sim" pra absolutamente tudo.

Quando você começa a se estabilizar, diversas oportunidades virão até você. A maioria delas, na minha experiência, é furada. Então você deveria começar a dizer mais "não", pra poder focar no que realmente importa.

9. Freelas

Não faça freelas.

Se você faz freelas, porque precisa pagar as contas hoje, então sem problemas. Continue fazendo.

Ou se você é um freelancer, e essa é a sua principal fonte de renda, essa dica também não é pra você.

Agora se esse não for o seu caso, freelas vão ser uma distração do seu trabalho principal, que é onde você deveria estar focado 100%.

Pessoa tentando focar

Deixe-me contar uma história rápida pra ilustrar esse ponto: imagine dois desenvolvedores, a Ana e o João. A Ana não faz freelas e ganha R$5.000 por mês. O João ganha os mesmos R$5.000, só que faz freelas, então o salário total dele por mês gira em torno de R$7.000.

Só que a Ana, por poder focar mais no trabalho principal, começa a se destacar na empresa. Com isso, rapidamente ela consegue uma promoção que leva seu salário pra R$7.000. Agora, pro João ganhar o mesmo salário que a Ana ele precisa fazer dois trabalhos, o principal e os freelas.

O pior disso é o efeito bola de neve: a Ana vai crescer exponencialmente suas habilidades e sua visibilidade na empresa, enquanto o João vai ficar cada vez mais parado no tempo dependendo dos trabalhos paralelos.

De novo, se você precisa deles hoje: continue fazendo, mas se planeje pra sair deles o mais rápido possível e focar no seu trabalho.

10. Alimentação

Alimentação saudável é chave.

Uma alimentação ruim vai fazer com que você se arraste pelo dia, sem conseguir focar direito, se sentindo mal durante a maior parte do tempo. Isso, assim como o caso dos freelas, é uma bola de neve que vai ter um efeito negativo bem pequeno agora. Mas no longo prazo, o efeito é devastador.

Prato com salada

Coma bem, pra que você se sinta bem e consiga focar no seu trabalho. De preferência diariamente.

11. Guie sua carreira

Numa entrevista, lembro do seguinte diálogo:

(eu) Temos vagas pra Front, Back e Mobile, onde você se encaixa mais?

(candidato) Tanto faz.

Não seja essa pessoa. Saiba exatamente pra onde você está levando a sua carreira, porque se você não o fizer, alguém vai fazer por você.

Não seja a pessoa do "tanto faz". Guie sua carreira pra onde você quer que ela vá. E se você ainda não sabe pra onde, pare um tempo e descubra. Porque como eu falei na thread, se você não o fizer, alguém vai fazer por você.

12. Livros

Leia muito, mas não somente sobre a nossa área. Leia sobre biologia, história, política, economia, etc.

Os livros mudaram a minha vida. Imagine você poder entrar na mente de uma pessoa de tremendo sucesso, e poder descobrir os principais insights que ela teve durante a vida. Ah, e isso tudo por apenas R$29,90?

Investir em livros é investir na sua carreira, na sua educação, na sua saúde. É investir na sua vida.

13. Salário vs aprendizado

No começo da carreira, escolha um emprego em que você aprende mais e não o que paga mais. Pensando melhor, talvez essa dica não valha somente para o começo da carreira.

A menos que você realmente precise do dinheiro a mais agora, prefira os empregos que vão te ensinar mais.

Isso aconteceu comigo bem no começo da minha carreira.

Dinheiro

Eu tive a opção de virar um funcionário público comissionado (aqueles que não precisam de concurso), ganhando R$4.000 por mês - o que em 2011 era bastante dinheiro - trabalhando por 8h por dia, na CLT. A única vantagem desse trabalho era o dinheiro. O local era perigoso e longe, eu não ia aprender nada, e por ser 8h por dia, ia atrapalhar a faculdade.

A outra opção era trabalhar numa consultoria, recebendo R$1.800 num estágio de 6h. A localização era excelente, o horário também, e o principal: eu ia trabalhar com profissionais acima da média numa tecnologia que eu queria trabalhar na época (Ruby on Rails).

Escolhi a segunda e não me arrependo. Hoje, graças a esse estágio, eu subi muito na carreira. Se eu tivesse escolhido a primeira opção, talvez estivesse lá até hoje, ganhando os mesmos R$4.000 e completamente estagnado.

Existe um ponto importante aqui: em diversas ocasiões, os empregos que pagam mais são também os que você vai aprender mais. Justamente por pagarem mais, eles vão exigir mais de você. É seu trabalho identificar esses casos.

14. Se matar de trabalhar

Nenhuma empresa vale a sua saúde

Quantas histórias já ouvimos de profissionais que, literalmente, acabaram com a própria saúde por causa de um trabalho? Não seja essa pessoa. Trabalhe em locais que valorizam você como pessoa, e que tenham como parte da cultura uma boa separação entre trabalho e vida pessoal.

15. Obedecer cegamente

Se o seu chefe pedir algo que você não concorda, diga isso. Não obedeça a ninguém cegamente.

Toda vez que eu penso nisso, lembro do engenheiro de software da Volkswagen que foi preso por ter escrito o software que fraudava os avisos de emissão de diesel dos carros.

"Eu estava apenas obedecendo o meu chefe"

Sim, verdade. Enquanto cometia um crime.

Não interessa o que o seu chefe diz, se ele pede algo errado.

Mais vale uma demissão do que uma prisão.

16. Testes

Faça testes unitários. Sempre.

Testes automatizados, principalmente os unitários, dão uma camada a mais de confiança pro seu código. Fora que eles não são tão difíceis de se escrever quanto eram no passado. Existem ferramentas e metodologias pra isso. Não tem mais desculpa. É só fazer.

17. Se divirta

Se divirta. Afinal, não foi por isso que você escolheu essa área?

Somos muitos privilegiados de estar nessa área. Não se esqueça disso. Apenas se divirta.